Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

...

 

  E OS DEVERES????

   Todos sabemos que existe um texto fundamental, já muito (e há muito) propalado : " OS DIREITOS HUMANOS". Também sabemos que estes direitos, são parcialmente respeitados em algumas ( poucas) zonas do globo terrestre e ostensivamente ignorados na maioria.......

     É CURIOSO QUE EXISTA UM TEXTO COM O NOME DE "DIREITOS"...?!?! PORQUE NÃO DE "DEVERES", enumerando as nossas obrigações para com o nosso semelhante?????

   Dirão os leitores : Este cara é estúpido.... então ele não vê que, ao definirmos os direitos de todos e cada um , estamos automaticamente a definir também os deveres....que em última análise se reduzirão a um único: RESPEITAR OS DIREITOS PARA OS OUTROS DEFINIDOS......( e para ele próprio, claro)! Já agora, notem bem, eu vejo isto tão claramente que fui capaz de explicitar e esgotar a questão neste curto parágrafo....

   Então, qual o porquê desta questão absurda?

 É QUE, QUANDO SE PASSAM DÉCADAS, A PRESENCIAR INDIVÍDUOS , GRUPOS, MULTIDÕES A RECLAMAR PELOS SEUS DIREITOS, E SE VÊ TÃO POUCOS , TÃO RAROS,  PREOCUPADOS COM OS SEUS DEVERES, ....FICAMOS ASSIM.....COMO EU ..... COM SÉRIAS DÚVIDAS SOBRE A MAIS ELEMENTAR LÓGICA........

publicado por mochovelho às 21:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 20 de Maio de 2007

PESSIMISTA

 

  EU, PESSIMISTA COM MUITA HONRA.....

      Eu devia ler mais do que leio actualmente.... A leitura faz-me muito bem...Ando uma data de tempo com os outros a chamarem-me coisas, ( como por exemplo : pessimista), e eu com problemas por causa disso e depois, leio um artigo de um individuo que, sozinho, vale mais que todos os que conheço....( desculpem lá isto), onde ele defende ideias que me são comuns. A esta hora vocês já estão a dizer: Que grande vaidoso, que grande presunçoso que este cara é...... mas deixem-me explicar que isto não acontece sempre.... só de vez em quando... eu sou normalmente estúpido como qualquer outra pessoa e sei isso muito bem.

      Mas voltemos á "vaca fria" .... Durante toda a minha vida as pessoas classificaram-me como um pessimista, dizendo que isso influía negativamente, na capacidade que eu teria de "fazer coisas" , enfrentar desafios.....visto que , á partida considerava esses objectivos falhados. Curiosamente, conheço poucas pessoas que tenham enfrentado tantos desafios como eu , nesta vida que já me pesa. Aliás, posso dizer, e desta vez com toda a jactância que sou capaz,  que nunca recusei um desafio que me tivesse sido proposto na minha vida profissional.... como dizemos por aqui: FUI A TODAS....E essa atitude não me parece contraditória com o meu omnipresente pessimismo.....PORQUÊ?

     Porque , como faz notar Umberto Eco numa das suas crónicas há o PESSIMISMO PRODUTIVO(*)....ou seja, o individuo vê a possibilidade de uma série de coisas correrem mal, onde um optimista só vê facilidades e venturas. Pela sua atitude, e uma vez que o pessimista não fica parado porque é um pessimista produtivo, ele estuda o que prevê que corra mal e evita esses acontecimentos, ou prepara-se para soluções alternativas ou de emergência....OU SEJA : O PESSIMISTA PREVINE,  tem uma atitude de prevenção, enquanto o OPTIMISTA confia na sorte ou na ajuda de uma Nossa Senhora qualquer. Por outro lado, o pessimista tem muito menos desilusões....KKKKK !!!! Vocês dirão agora : mas isto de prever o que pode correr mal é uma atitude normal e comum á maioria dos indivíduos.....ESTÃO MUITO ENGANADOS!!! Basta observarem, neste país, o número de iniciativas que abortam após pouco tempo de iniciadas, quando havia um largo sorriso na boca dos seus mentores que em pouco temo se transformou em esgar........

     Portanto assino :

     EU, PESSIMISTA COM MUITA HONRA.....

  (*) Estas pobres linhas foram provocadas não por qualquer artigo de Umberto Eco sobre o assunto, mas apenas por um único parágrafo de uma sua extensa crónica sobre outro assunto.

publicado por mochovelho às 19:18
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quarta-feira, 16 de Maio de 2007

TOLERÂNCIA

      A “ TOLERÂNCIA”

  A tolerância é, segundo os fazedores do “ politicamente correcto” actual, um ingrediente essencial na boa convivência em sociedades, multi – étnicas, plurirraciais..... é ainda panaceia para muitas coisas mais, mas ficamos apenas por este aspecto.

  Eu tenho uma lista de palavras malditas, isto é, palavras que me repugna usar.....Da última vez que, num blog, expus a minha opinião sobre a “ caridade”, palavra, conceito e prática, fui quase “linchado”. Mas, como burro velho não aprende, vou falar sobre a tolerância.

   O que é a TOLERÃNCIA??? Tolerância é um desvio em relação a um valor ou propriedade estipulados previamente, que é considerado aceitável pela entidade fiscalizadora. Assim, se a chefia da policia de trânsito , em dada altura disser aos seus agentes para praticarem uma tolerância de 10 Kilómetros por hora no respeitante á velocidade dos veículos, tal quer dizer que um agente não autuará um individuo que circule a 100 Kilómetros , numa zona para a qual a velocidade máxima permitida é apenas de 90. Sintetizando: A Tolerância É UM DESVIO PERMITIDO pelo Juiz de alguma coisa, ao valor que ele próprio estabeleceu para ela.

    Como se pode encarar a Tolerância no âmbito social, nos aspectos da diferenças raciais???  Para os mais ingénuos e bem intencionados a resposta é : Tolerância entre indivíduos no que respeita ás diferenças  físicas e culturais das suas diferentes raças........ Mas, quem entrar bem na alma das gentes, quem quiser ver as coisas por dentro, poderá ver algo de diferente...... e nada como um exemplo para ilustrar o que quero dizer :

 

   O Sr. A, caucasiano, branco louro de olho azul, em termos de “tolerância” raciocina assim em relação ao seu vizinho africano ou asiático : “ TU ÉS DIFERENTE DE MIM, MAS NÃO TENS CULPA DISSO, E DA TUA INFERIORIDADE RESULTA O DEFICIT CULTURAL QUE TE SEPARA DE MIM.TODAVIA EU VOU PERMITIR-TE ESSE DESVIO DE INFERIORIDADE E CONSEQUENTE DESVIO CULTURAL E TRATAR-TE COMO SE ELES NÃO EXISTISSEM ......  E a isto ele chama tolerância....e a isto, a grande parte das sociedades europeias chama tolerância quer racial, quer étnica, quer económica, quer cultural ( de cultura ao Kilo ou ao metro), ETC........

 

   Foi ao ler uma crónica de UMBERTO ECO que me apercebi bem disto, e é por isso que a palavra TOLERÂNCIA, passou a fazer parte do meu dicionário de OBSCENIDADES.

 

 

publicado por mochovelho às 12:58
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 10 de Maio de 2007

E AGORA???

 

 NÓS E A "EDUCAÇÃO"

     O que quero dizer, na realidade é nós e a "CULTURA", mas receio que ao empregar a palavra cultura seja mal entendido. Tenho, pendurado na parede deste meu escritório, um pequeno quadro , imitando uma iluminura medieval que diz, em letra gótica e em francês: " A CULTURA É O CONJUNTO DE TODAS AS FORMAS DE ARTE, DE AMOR E DE PENSAMENTO QUE PERMITEM AO HOMEM SER MENOS ESCRAVO ". Não sei quem é o autor,  mas sempre acreditei que, seja ele quem for, quando escreve  "...AO HOMEM SER MENOS ESCRAVO", refere-se certamente a ser menos escravo de si próprio, das suas limitações, que é a pior escravidão que existe..... Deste modo, sou indefectivelmente um defensor da EDUCAÇÃO, desde que esta contribua efectivamente para formar este tipo de cultura individual. Por educação refiro-me aos métodos , aos sistemas e instituições que a sociedade põe á disposição do individuo para que este veja mais facilitada a aquisição de conhecimentos numa dada área..... enfim... um processo de iniciação.

   Todavia, um cantinho do meu cérebro diz-me que os indivíduos de uma dada sociedade, usam esses sistemas de educação que a sociedade põe á sua disposição, (ou antes, á disposição dos que podem pagá-la...), para a aquisição de conhecimentos que lhes permitam na vida, senão um lugar ao sol na primeira fila, pelo menos usá-los eficientemente como meio de subsistência. Mas o que quero dizer??? Considerem um individuo recém licenciado em filosofia,.... não consegue arranjar emprego como professor num sistema já saturado de docentes, e, para viver, tem que ser varredor de rua. Todos os ofícios são dignos se bem desempenhados e com honestidade, portanto , o nosso licenciado, varre pacificamente a rua e, quando acaba, vai para bibliotecas consultar as últimas novidades literárias e alimentar o seu espírito em detrimento da sua barriga. Ele é feliz....a cultura, obtida através da EDUCAÇÃO, traz-lhe a satisfação que necessita......e, QUEM ACREDITAR NESTA BALELA ESTÁ LOUCO, OBVIAMENTE......porque numa sociedade normal existe uma ligação intima entre a educação e a subsistência. Individuo que estuda, que se cultiva em determinada matéria, espera tirar daí uma ferramenta de sobrevivência. Mais, devido ás baixas percentagens de frequência universitária , ele espera, uma vez formado, vantagens pecuniárias e sociais em relação ao resto da população.

   Esta é a realidade : "UM INDIVÍDUO NÃO ESTUDA APENAS PARA SUA AUTO - SATISFAÇÃO",(a menos que seja rico, claro).....Por isso , é obrigação da sociedade, manter os mecanismos sociais, políticos ou outros, que propiciem um equilíbrio entre a oferta e a procura para indivíduos que saem das universidades com as mais diversas especialidades. 

   Temos hoje em Portugal, registados nos centros de desemprego, cerca de 50 000 licenciados, aos quais temos de adicionar uns largos milhares ( quantidade desconhecida...), de outros que arranjaram empregos muito abaixo das suas qualificações...

   Eu fico muito satisfeito quando leio na "propaganda governamental" que o número de pessoas com formação superior duplicou ou triplicou e que estamos a aproximar-nos dos padrões  europeus..... óptimo.... vamos ter o rapaz das fotocópias licenciado em direito, a senhora da limpeza em linguistica e a recepcionista com um mestrado em química. Excelente.... vamos ser super! E tudo por causa das estatísticas......

   Em face deste panorama, a frequência das universidades está a baixar notoriamente, num processo que tem algo de natural.....mas, quem paga as frustrações de milhares de pessoas que acreditaram que estudar lhes traria uma vida melhor????

publicado por mochovelho às 22:09
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 2 de Maio de 2007

O ENSINO EM PORTUGAL

 

A TRAGICOMÉDIA DO ENSINO EM PORTUGAL

     PARTE II - ACTUALMENTE

  No meu tempo , as coisas estavam mal, essencialmente, porque a educação ligada ao estudo, á frequência de um estabelecimento de ensino era um luxo, um privilégio, política que não necessitaremos certamente de comentar.

1-ENSINO SECUNDÁRIO

  Hoje em dia , temos  escolaridade obrigatória até ao 9º ano ( 4 anos de escolaridade básica + 5 anos de secundário). Para além do 9º ano temos a continuação do ensino secundário ( antigo Liceal), por mais três anos , respectivamente o10º e 11º e seguidamente o 12º para quem queira ingressar no ensino superior. Comecemos por analisar estes 12 anos de estudos preliminares.

  A frequência escolar, até ao 9º ano inclusive é obrigatória e é simplesmente uma farsa infame. PORQUÊ??? Porque sendo as nossas leis muito estritas no que respeita ao trabalho infantil há que manter as crianças e adolescentes em qualquer lado, pelo menos até aos 15 anos de idade......daí a obrigatoriedade do 9º ano. Claro que, como todo o sistema educacional percebe isto, não há preocupação em saber se os alunos aprendem ou não alguma coisa. Para um professor do ensino oficial reprovar um aluno até ao 9º ano, quase que é preciso autorização ministerial.....( se calhar é mesmo...kkkkk)! Portanto a estes alunos pouco ou nada é exigido..... estamos cheios de analfabetos com o 9º ano.

  Muitos, (diria a maior parte, ficam por aí....), outros seguem para o 10 º e 11º e alguns para o 12º, especialmente se tencionam continuar com o ensino superior. O 12º ano é , na minha opinião, pelo menos nas especialidades de ciências, ( matemática, física e química), bastante exigente. O salto dos anos anteriores para o 12º é enorme.... em conclusão, andamos 11 anos a pedir nada ou quase nada aos alunos, para de repente lhe pormos á frente uma matéria difícil, ( pelo menos quando comparada com o que estavam habituados), e nada lhes perdoarmos. Isto tem como consequência que as notas dos exames finais do 12º ano sejam arrasadoramente más.... Todos os anos temos a tragédia das classificações para entrada na faculdade........

2- ENSINO SUPERIOR

   No ensino superior de base temos os graus de bacharelato e licenciatura, mas, em vez de entrarmos nesse assunto vamos explicar "umas coisas" : até aqui á menos de quinze anos atrás, só existiam em Portugal, estabelecimentos de ensino superior de carácter público, ou seja, o ensino superior estava vedado á iniciativa privada. Com o justo desenvolvimento das ambições das pessoas em termos de educação, as universidades públicas deixaram de ter capacidade de resposta e isso deu origem a várias coisas:

A - As universidades públicas introduziram o "número clausus",  por exemplo, o IST, decidiu que não aceitaria , por ano, mais de 100 novos alunos em engenharia mecânica, e que esses novos lugares estavam reservados aos 100 alunos mais altamente classificados que concorressem para entrar....só os melhores tinham lugar portanto. Isto dá origem a que, por exemplo, um aluno que concorre com uma classificação do 12º ano de 15.6 V ainda entra porque é o centésimo na escala de valores dos concorrentes, mas um que tem "apenas" 15.5 já não tem lugar...( a escala de classificações em Portugal é de 0 a 20)

B - Isto deixava deixava dezenas de milhar de potenciais alunos, fora das faculdades, o que deu origem a que o governo desse luz verde á instalação de universidades privadas , que absorvessem esse excesso. Ora , á média de 560 $R, por aluno e por mês, isto era um excelente negócio para os privados, e as universidades e institutos superiores privados apareceram como cogumelos.... mas infelizmente cogumelos venenosos, como veremos adiante.

C - A maior parte das novas universidades privadas dedicaram-se a cursos onde é apenas necessária uma sala, lápis e papel, ( e, se possível , um professor, já agora....kkkkk), como as humanísticas, direito, etc. Só algumas se arriscaram a alguns cursos de engenharia, (daqueles que não exigem laboratórios), e quanto ás ciências médicas nem pensar........Por outro lado, praticamente não apresentam professores residentes, tendo um corpo docente recrutado a tempo parcial noutros locais , que só lá vai debitar umas horas de aula. Como em qualquer actividade privada normal, e sem que isso escandalize alguém, a ideia do lucro é prevalecente.

B - Ao contrário de muitos países em que o ensino universitário privado é que goza de prestigio, ( Yale, Harvard, MIT, Oxford, Cambridge....) e onde as famílias fazem significativos sacrifícios para mandar os filhos para essas universidades, quando os podiam mandar , quase de graça, para as universidades estatais, aqui passa-se exactamente o contrário : as famílias rezam para que os filhos sejam suficientemente bons estudantes, para que tenham boas classificações e consigam entrar numa universidade pública!!! Porque tem vantagens como : não ter de pagar as altas propinas mensais de uma escola privada, e ainda por cima, um individuo que se apresenta no mercado de trabalho com um diploma passado por uma universidade oficial tem muito mais credibilidade que aquele que apresenta um diploma passado por uma entidade privada.

D - As universidades privadas sofrem á partida de um tremendo "handicap" : Teoricamente recebem os piores alunos da população estudantil, porque os melhores conseguiram entrar nas públicas. Portanto o material de trabalho já tem pouca qualidade "per si". Por outro lado, não são completamente independentes nos seus juízos, porque são pagos pelos alunos....Isto não quer dizer que cometam a desonestidade de vender diplomas, ...não é isso que queremos dizer, mas sim que lhes é psicologicamente mais difícil a prática de determinada ética.

E - Entretanto verifica-se um "ataque" das universidades públicas ás privadas. As universidades públicas são subsidiadas pelo estado como sabemos e, uma das formas desse subsidio é em função do número de alunos....um tanto por aluno e por ano. As universidades públicas debatiam-se com falta de verbas para as suas tarefas de investigação, programas de doutoramentos, contratação de docentes, etc. Uma das formas que viram para obter essas verbas foi, é claro, aumentarem o "número clausus". Tendo mais alunos , teriam mais verbas. Todavia, ao fazer isso arriscaram-se a debilitar a sua qualidade.

          Muito mais haveria a dizer, no entanto ficamos por aqui, com a noção de que, como consequência destas políticas, este pobre cantinho ficou inundado de licenciados e não sabe o que lhes há-de fazer....mas isso fica para a PARTE III

publicado por mochovelho às 21:31
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

mais sobre mim


ver perfil

. 1 seguidor

pesquisar

Agosto 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

AS APLICAÇOES PRÁTICAS D...

DESCRIMINAÇÃO

VIVA A BADERNA

HAVERÁ TERCEIRA VIA??

Há terceira via??????

O PADROEIRO

EMÉTICO

ACUDAM !!!!!

...

BIBA!BIBA!BIBA!

TERRORISMO E PRESERVATIVO...

A CRISE

DISCIPLINA

O QUE SERÁ?

O REGRESSO DOS ABUTRES

O IMOBILIÁRIO

A CRISE

QUE TAL....

Aonde vamos????

DUARTE de ALMEIDA

arquivos

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links

blogs SAPO

subscrever feeds